terça-feira,9 julho , 2024
Home Região STF da Turquia mantém a expulsão de 9 cristãos estrangeiros por “atividades missionárias” – JM NOTÍCIA

STF da Turquia mantém a expulsão de 9 cristãos estrangeiros por “atividades missionárias” – JM NOTÍCIA

por Heleno Farias
0 Comente
stf-da-turquia-mantem-a-expulsao de-9 cristaos-estrangeiros-por-“atividades-missionarias”-–-jm-noticia

O Tribunal Constitucional da Turquia confirmou a decisão do governo de expulsar nove cristãos estrangeiros por alegadas “actividades missionárias”, rotulando-os de risco para a segurança nacional. 

O tribunal decidiu que esta designação, ao abrigo do controverso código de imigração “N-82”, não viola os direitos dos estrangeiros, apesar do seu estatuto de residência legal no país. A maioria citou o “quadro da ampla discricionariedade das autoridades públicas em relação à imigração e aos controlos fronteiriços”. 

“Na verdade, os requerentes não têm queixas de terem encontrado qualquer obstrução ou tratamento discriminatório no cumprimento das suas crenças religiosas enquanto viviam na Turquia”, afirma a decisão. “Além disso, também deve ser levado em consideração que os requerentes Helmut Frank e Matthew Vern Black, aos quais foi aplicado o código de restrição N-82, deixaram a Turquia voluntariamente, enquanto os requerentes Amanda Jolyn Krause e Jeremy Lauren Lambert ainda estão na Turquia.”

A decisão marca um momento significativo na história judicial da Turquia, sendo a primeira decisão conjunta relativa a vários casos do código N-82, de acordo com o grupo jurídico ADF International.

Num comunicado , a organização jurídica para a liberdade religiosa afirmou que o tribunal historicamente decidiu por unanimidade contra cristãos estrangeiros em casos semelhantes. Mas esta última decisão mostrou divisão entre os juízes, permitindo que opiniões divergentes surgissem.

O presidente do Tribunal Constitucional, juiz Zühtü Arslan, apresentou uma opinião divergente. Ele argumentou que não havia nenhuma evidência que sugerisse que as atividades dos recorrentes ameaçassem a ordem ou a segurança públicas.

“Não há nenhuma justificativa concreta fornecida nos processos administrativos ou judiciais no caso concreto que sugira que as atividades dos requerentes representam uma ameaça à ordem ou segurança pública”, afirmou Arslan. atividade ‘missionária’ dirigida aos requerentes como uma ameaça à ordem ou segurança pública.”

Arslan refutou a afirmação da maioria de que “é claro que não houve interferência na liberdade religiosa dos requerentes”.

“Essencialmente, entende-se pelas declarações feitas tanto na seção ‘Eventos e Fatos’ da decisão… quanto sob o título ‘Alegações dos Requerentes e Opinião Ministerial’… que o código de restrição N-82 foi aplicado a os candidatos devido às suas atividades missionárias”, escreveu Arslan. “É inexplicável que isto constitua uma interferência na liberdade religiosa dos requerentes”.

Desde 2018, cerca de 185 ministros protestantes estrangeiros foram deportados ou proibidos de reentrar na Turquia, muitas vezes sem justificação clara ou acesso aos relatórios de inteligência usados ​​contra eles, segundo a ADF International.

“O ataque discriminatório do governo aos trabalhadores religiosos cristãos na Turquia, todos os quais viveram pacificamente na Turquia durante muitos anos, constitui uma violação clara tanto da Convenção Europeia dos Direitos Humanos como dos Pactos Internacionais dos quais a Turquia é parte”, disse Kelsey. Zorzi, diretor de defesa da liberdade religiosa global na ADF Internationa.

Ela disse que o país faz esforços sistémicos para suprimir as crenças cristãs, observando anualmente um aumento de cristãos estrangeiros considerados ameaças à segurança nacional.

Os indivíduos afectados, parte de um grupo maior de mais de 30 cristãos estrangeiros identificados com o código N-82, têm estado envolvidos em trabalho religioso em toda a Turquia. Esta decisão surge na sequência de vários processos individuais que chegaram ao Tribunal Constitucional, sendo esta a primeira sentença colectiva proferida pela Assembleia Geral do tribunal.

Orhan Kemal Cengiz, um dos advogados que representam os requerentes, destacou as contradições na decisão da maioria e a falta de provas que apoiem a expulsão. 

“A opinião do Tribunal, tal como descrita pelos juízes dissidentes, está repleta de contradições. Apesar das provas claras de que estes indivíduos estrangeiros foram expulsos devido às suas alegadas actividades missionárias, a maioria do Tribunal não viu quaisquer violações da liberdade religiosa”, observou Cengiz.

Can Kurtulan, outro advogado, discutiu as implicações para a liberdade religiosa na Turquia.

“Com esta decisão, a jurisprudência local prevalecente de que ‘as actividades missionárias se enquadram no âmbito da liberdade de religião e pensamento, mas podem ser restringidas dentro dos limites legais’ foi efectivamente anulada”, disse ele.

A decisão também sublinha uma tendência preocupante na Turquia, onde o nacionalismo e a islamização colocam desafios crescentes às minorias religiosas, especialmente à comunidade cristã, que conta com cerca de 170 mil numa população predominantemente muçulmana de 83 milhões, disse a ADF International.

A Turquia é parte do Tratado de Paz de Lausanne, que reconhece judeus, gregos ortodoxos e arménios, mas não protestantes.

Com The Christian Post

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título