Problemas nas contas públicas, garantias e impostos: as razões dos juros altos no Brasil | CNN Brasil – NotíciaTop
segunda-feira,22 julho , 2024
Home Economia Problemas nas contas públicas, garantias e impostos: as razões dos juros altos no Brasil | CNN Brasil

Problemas nas contas públicas, garantias e impostos: as razões dos juros altos no Brasil | CNN Brasil

por gabrielbosa
0 Comente
problemas-nas-contas-publicas,-garantias-e-impostos:-as-razoes-dos-juros-altos-no-brasil-|-cnn-brasil

O Banco Central (BC) interrompeu o corte de juros e não deve retomar o movimento de alívio tão cedo. A opinião é de economistas ouvidos pela CNN no primeiro episódio da série “O Nó dos Juros”, que começou a ser exibida nesta segunda (8) no CNN Prime Time.

Sem sinais críveis de uma melhora consistente na situação fiscal no Brasil e com as dúvidas sobre a trajetória dos juros nos Estados Unidos, a taxa Selic deve seguir em 10,5% até que as essas premissas fiquem mais claras. Por enquanto, nada muda.

“Eu acho que, no curto prazo, o Brasil vai continuar sendo, infelizmente, um país de alta taxa de juros. Muito dificilmente a gente retorna nos próximos anos a uma taxa Selic de 4,5%, como foi a de 2019”, diz o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega.

O ex-presidente do BC Gustavo Loyola concorda. “É natural que ninguém goste de juros altos. Então existe uma pressão pela redução dos juros. O Banco Central sabe disso, isso é público. Mas isso não altera muito a convicção do BC”.

Historicamente, analistas citam três grandes razões para os juros elevados no Brasil.

Primeiro, as contas públicas. O déficit do governo injeta mais dinheiro na economia, o que faz com que haja maior demanda — o que pressiona a inflação.

O rombo das contas públicas também aumenta a dívida pública, o que gera incerteza e também acelera a inflação. Isso tudo influencia a taxa Selic.

Esse é o grande pano de fundo para o Brasil ter a segunda maior taxa real do planeta. Juro real é a taxa anunciada pelo BC menos a inflação esperada para os 12 meses à frente.

Atualmente, segundo ranking MoneYou, o Brasil tem juro real de 6,79% — abaixo apenas da Rússia, um país em guerra, que tem juro real de 8,91%.

Países comparáveis ao Brasil praticam juros reais muito menores: Colômbia tem 2,66%, Índia opera com 2,25%, China tem atualmente 0,99% e Chile, 0,97%.

Mas também há razões para que a taxa final, ao consumidor e às empresas, seja elevada em termos internacionais.

Bancos e financeiras reclamam da falta de garantias nos empréstimos no Brasil. Explicam que, em caso de inadimplência, é muito difícil retomar um bem dado como garantia no financiamento, como um carro ou uma moto.

Outro motivo citado é a carga tributária. Chamada de “cunha fiscal” pelos economistas, o peso dos impostos na atividade bancária, especialmente no crédito, acaba também pressionando as taxas para cima.

Cenário internacional também pressiona

Para além das razões domésticas, é preciso destacar que a política monetária norte-americana também tem grande influência sobre as decisões do BC no Brasil. E, hoje, é um grande foco de atenção e preocupação do BC e dos agentes financeiros.

Isso acontece porque todo o mundo financeiro havia se preparado para alguns cortes de juro nos EUA em 2024.

Essa taxa é considerada a grande referência para o custo do dinheiro em todo o mundo. Se esse juro cai, é esperado impacto em todo o planeta.

Mas, ao contrário da aposta dos investidores, o juro ainda não caiu nos EUA porque a inflação segue pressionada. Analistas dizem que, se houver redução da taxa americana, poderá ser em apenas um corte neste ano.

É bem diferente da aposta de que a taxa seria reduzida em várias reuniões em 2024. Esse ambiente externo também reduz o espaço para o corte de juros no Brasil.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título