quinta-feira,11 julho , 2024
Home Mundo Por que evangelismo no Muro das Lamentações é ofensivo para os judeus

Por que evangelismo no Muro das Lamentações é ofensivo para os judeus

por REDAÇÃO
0 Comente
por-que-evangelismo-no-muro-das-lamentacoes-e-ofensivo-para-os-judeus

Um pastor brasileiro, que pregava a Bíblia no Muro das Lamentações, foi expulso por judeus do local sagrado, em Israel.

O vídeo do momento foi compartilhado pelo pastor Alan Chaves nas redes sociais no último domingo (23). Nas imagens, ele é rodeado por crianças judias que cantam em hebraico “O povo de Israel vive”.

Após a repercussão do episódio, uma discussão sobre liberdade religiosa e evangelismo em Israel começou na web.

“Muitas pessoas estão utilizando esse vídeo como uma suposta evidência de que em Israel existe intolerância religiosa e que os evangélicos não seriam bem-vindos no país. A realidade, porém, é completamente diferente”, afirmou o cientista político cristão, Igor Sabino, em vídeo no Instagram.

E explicou: “Embora Israel seja um Estado judeu, é o lar também de vários outros grupos étnicos-religiosos, principalmente cristãos e muçulmanos. Por isso, para assegurar que todos eles tenham a sua liberdade religiosa respeitada, principalmente em Jerusalém, há lugares sagrados para as três religiões monoteístas. Há regras de conduta muito específicas para cada um desses locais, no Muro das Lamentações e na mesquita Al-Aqsa, que fica no Monte do Templo”.

Segundo Sabino, o evangelismo em Israel não é proibido, mas não pode acontecer de qualquer maneira.

“Não se pode, por exemplo, fazer proselitismo religioso para pessoas menores de 18 anos. Israel é o único país no Oriente Médio em que a liberdade religiosa é assegurada por lei”, comentou.

Desrespeito ao local de culto judeu

O rabino Rogério Cukierman esclareceu que a atitude do pastor Alan foi ofensiva para os judeus.

De acordo com ele, o pastor estava em um espaço de culto judeu e não se deve confungir a permissão para pessoas de outras religiões visitarem o Muro com a autorização para realizar uma atividade religiosa de outra crença.

“Quem quiser ir visitar o Muro das Lamentações precisa respeitar as regras daquele lugar. Alguém ir a uma igreja católica, fazer uma pregação evangélica anticatólica, uma pregação judaica, ou uma pregação muçulmana, não parece ser uma abordagem correta, ao contrário, é uma atitude ofensiva”, disse o rabino, em entrevista ao UOL.

De acordo com Rogério, o pastor poderia ter procurado grupos judaicos envolvidos no diálogo inter-religioso, onde conversariam em outro espaço.

Confusão 

André Daniel Reinke, historiador e doutor em teologia com ênfase em história das teologias e religiões, concordo como rabino.

Para ele, há uma confusão de que a liberdade de pregação em espaço público acontece em Israel da mesma forma como no Brasil.

“A praça, no Brasil, é um lugar laico, onde cada um pode apresentar seus pontos de vista, sejam religiosos ou não. Mas o Muro Ocidental, ou Muro das Lamentações, é um lugar levado em alta conta porque é ali que os judeus ortodoxos agradecem pela retomada de Jerusalém e oram voltados para o que seria o antigo Santo dos Santos do templo de Herodes”, afirmou Reinke.

“Abrir a Bíblia cristã e pregar o Messias que o judaísmo rejeitou não é evangelizar, é um ato de provocação. Seria como um rabino ir à Basílica do Santo Sepulcro e começar a gritar que Jesus nunca ressuscitou”, explicou.

O historiador ainda observou que o pastor Alan Chaves cometeu uma infração enquanto pregava.

“Havia crianças entre os judeus e a lei israelense proíbe o proselitismo de menores de 18 anos. Ele poderia ser deportado por ter feito aquilo”, disse.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título