domingo,21 julho , 2024
Home Região Pastores não podem ser MEI para atividades religiosas, alerta especialista em contabilidade de igrejas – JM NOTÍCIA

Pastores não podem ser MEI para atividades religiosas, alerta especialista em contabilidade de igrejas – JM NOTÍCIA

por Heleno Farias
0 Comente
pastores-nao-podem-ser-mei-para-atividades-religiosas,-alerta-especialista-em-contabilidade-de-igrejas-–-jm-noticia

Em meio a dúvidas frequentes sobre a possibilidade de pastores se formalizarem como Microempreendedores Individuais (MEI) para suas atividades religiosas, um especialista em contabilidade de igrejas esclarece que essa prática não é permitida pela legislação brasileira.

Marcone Hahan de Souza, contador e professor universitário responsável pela M&M Contabilidade de Igrejas, explica que o MEI é uma modalidade empresarial destinada a empreendedores individuais que atuam em atividades de prestação de serviços, comércio ou indústria. “Para ser MEI, é necessário atender a requisitos específicos estabelecidos pela legislação, incluindo um limite de faturamento anual e a realização exclusiva das ocupações permitidas”, destaca Souza.

No entanto, para funções pastorais, como as exercidas por ministros religiosos, a formalização como MEI não é adequada. “As atividades pastorais vão além do escopo permitido pelo MEI, envolvendo responsabilidades como aconselhamento espiritual, liderança comunitária e realização de cerimônias religiosas, que não se enquadram nas ocupações permitidas para o MEI”, explica o especialista.

Segundo Souza, a legislação brasileira prevê que pastores e líderes religiosos devem ser formalizados de acordo com as normativas específicas para Organizações Religiosas, conforme estabelecido pelo Código Civil. “É essencial que as igrejas e ministros religiosos estejam cientes das diretrizes legais e tributárias aplicáveis para evitar problemas futuros”, orienta.

Em relação aos pagamentos e contribuições previdenciárias, Souza ressalta a importância da correta elaboração de recibos e da retenção de Imposto de Renda na Fonte (IRF) quando aplicável, além do cumprimento das obrigações acessórias previstas pela Receita Federal.

Dessa forma, fica claro que, embora o MEI seja uma opção viável para muitos tipos de negócios, sua aplicação para atividades religiosas não está em conformidade com a legislação vigente no Brasil. Para mais informações sobre a formalização de atividades religiosas e suas implicações legais, consulte um especialista em contabilidade especializada em igrejas.

Autor: Marcone Hahan de Souza, Contador e Professor Universitário.

Heleno Farias

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título