quarta-feira,10 julho , 2024
Home Politica Muitos CEOs preferem ficar em silêncio sobre a disputa Biden-Trump. Eis o porquê

Muitos CEOs preferem ficar em silêncio sobre a disputa Biden-Trump. Eis o porquê

por darrellchamplin
0 Comente
muitos-ceos-preferem-ficar-em-silencio-sobre-a-disputa-biden-trump.-eis-o-porque

O alto escalão corporativo tem mantido um perfil relativamente discreto em relação às eleições presidenciais dos EUA, pois os executivos querem evitar se tornar alvos políticos.

Silêncio no alto escalão.

Três anos atrás, líderes empresariais falavam abertamente contra Donald Trump por seu papel no ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021. Mas agora, com o ex-presidente liderando em muitas pesquisas, a maioria dos executivos opta por permanecer em silêncio.

Ex-presidente dos EUA Donald Trump e o atual presidente, Joe Biden (Fotos: Brendan McDermid e Elizabeth Frantz/Reuters)

Em 2021, CEOs como Mary Barra, da General Motors, e Doug McMillon, do Walmart, fizeram um apelo público por uma transição de poder pacífica. Desta vez, os líderes em sua maioria evitaram se envolver na disputa política. Apenas alguns poucos executivos apoiaram publicamente Trump, que durante seu mandato estava inclinado a perseguir supostos inimigos dentro das corporações americanas. E embora possa haver apoio ao presidente Joe Biden nos bastidores, poucos declaram isso oficialmente.

O que está por trás do silêncio?

Um retorno ao normal: executivos mencionaram temas relacionados às eleições 364 vezes em chamadas de ganhos do segundo trimestre até 24 de junho, conforme o provedor de dados AlphaSense. É altamente improvável que a contagem chegue a 902, o número de vezes que esses tópicos foram mencionados em 2020, durante esse mesmo período.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Mas este ciclo está mais em linha com o normal histórico. Em 2016, os executivos mencionaram temas relacionados às eleições 307 vezes, segundo a AlphaSense. Por que 2020 foi uma exceção? Talvez tenha sido a extraordinária volatilidade política do ano e a dinâmica social única causada pela pandemia do coronavírus.

Os últimos quatro anos destacaram o potencial perigo que há em se manifestar. O governador Ron DeSantis, da Flórida, travou uma guerra contra a Disney (DISB34), um dos maiores empregadores de seu estado, depois que Bob Chapek, o CEO da empresa na época, se manifestou, em meio à pressão dos colaboradores, contra a legislação da Flórida que ativistas denominaram de projeto de lei “Não diga gay”. E os procuradores-gerais republicanos atacaram empresas como a JPMorgan Chase e a BlackRock por seus programas ambientais, sociais e de governança.

Essa pressão política teve impacto. As empresas começaram a praticar o que os defensores do clima chamam ironicamente de “greenhushing”. E as declarações públicas corporativas sobre questões sociais, que se tornaram comuns durante o auge do movimento Vidas Negras Importam, diminuíram em frequência com o caso Dobbs vs. Jackson e os ataques de 7 de outubro liderados pelo Hamas contra Israel.

Trump está pesando muito nas mentes dos CEOs, especialmente porque as pesquisas mostram uma disputa acirrada em novembro.

Quando Trump estava na Casa Branca, ele conseguia causar prejuízos de bilhões no valor de mercado de uma empresa com apenas um tweet. Se ele vencer novamente – ou mesmo se não vencer – poucos líderes de empresas querem se colocar na mira dele. (Em contraste, embora Biden tenha atacado amplamente a “ganância corporativa”, ele tendeu a não intimidar empresas específicas.)

“Ele pode ser o presidente. Eu também tenho que lidar com isso”, disse Jamie Dimon a Andrew no DealBook Summit em novembro, quando questionado se ele era um “Never Trumper” (Trump nunca) depois de pedir a outros que apoiassem a campanha de Nikki Haley. Mais tarde, Dimon disse a Andrew, no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, que Trump acertou em algumas coisas e pediu aos democratas que fossem “mais respeitosos” com os apoiadores do republicano.

Os CEOs mudarão de ideia? Alguns acreditam que sim: “Eles estão economizando pólvora seca”, analisou um consultor corporativo ao DealBook. Mas, tal como em 2021, isso poderá exigir circunstâncias extraordinárias.

A menos que isso aconteça, o ruído mais alto do alto escalão pode continuar sendo o silêncio.

NYT: ©.2024 The New York Times Company

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título