Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv pela primeira vez em 4 meses – NotíciaTop
segunda-feira,22 julho , 2024
Home Mundo Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv pela primeira vez em 4 meses

Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv pela primeira vez em 4 meses

por REDAÇÃO
0 Comente
hamas-dispara-foguetes-contra-tel-aviv-pela-primeira-vez-em-4-meses

No domingo à tarde (26), o Hamas lançou oito foguetes contra o centro de Israel, no ataque mais significativo vindo da Faixa de Gaza em aproximadamente quatro meses.

O ataque pelo grupo terrorista destaca alguns dos desafios que o exército israelense, que busca expulsar o grupo palestino de seu último grande reduto, deve enfrentar continuamente.

Segundo um porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF), o sistema antimísseis Iron Dome abateu três dos projéteis enquanto cinco caíram em áreas abertas.

De acordo com a polícia, uma casa no subúrbio de Herzliya, em Tel Aviv, sofreu pequenos danos devido à queda de estilhaços. Duas pessoas sofreram ferimentos leves, mas não houve relatos de perdas graves.

Outra localidade atingida por pelo menos um foguete foi Kfar Saba, a nordeste de Tel Aviv. O artefato caiu em um campo aberto, causando uma grande cratera, conforme imagens locais.

O ataque ocorrido por volta das 14h00 foi rapidamente reivindicado pelo braço armado das Brigadas Al-Qassam do Hamas, que afirmou ter “bombardeado Tel Aviv em resposta aos massacres sionistas de civis”.

Cerca de 80 minutos após, sirenes de foguetes foram acionadas em várias comunidades próximas a Gaza, incluindo algumas onde os moradores voltaram a viver nos últimos meses.

הירי לעוטף עזה: רקטה נפלה בקיבוץ סעד ופגעה ברכב סומך לבית ספר. לא היו נפגעים@Itsik_zuarets pic.twitter.com/aqsaJMsLJS

— כאן חדשות (@kann_news) May 26, 2024

Um projétil atingiu uma área próxima a uma escola no Kibutz Sa’ad, causando danos leves a um carro, mas não houve feridos.

מכתש בעקבות נפילה ליד כפר סבא pic.twitter.com/O1nQ5eWD2k

— ynet עדכוני (@ynetalerts) May 26, 2024

Os ataques serviram como um alerta sobre as capacidades armadas do Hamas, apesar de mais de sete meses de uma intensa campanha militar israelense destinada a eliminar o grupo terrorista, após o ataque de 7 de outubro ao sul de Israel.

Uma intensa saraivada de ataques atingiu o centro de Israel, lançada a partir de Rafah, uma cidade no extremo sul de Gaza.

Rafah é atualmente o epicentro da campanha militar israelense. A preocupação internacional cresce em relação ao bem-estar dos mais de um milhão de habitantes de Gaza, que buscaram refúgio na cidade após fugirem de outras partes da Faixa de Gaza.

Antes do lançamento da ofensiva israelense, quase um milhão de habitantes de Gaza evacuaram a cidade à medida que as tropas das Forças de Defesa de Israel avançavam.

Colunas de fumaça

Uma imagem capturada por um soldado próximo à passagem de Rafah, entre Gaza e o Egito, revelou colunas de fumaça branca subindo ao céu a uma curta distância. A proximidade entre os agressores e as tropas destacou as circunstâncias desafiadora que Israel enfrenta ao tentar neutralizar as forças remanescentes do Hamas na cidade.

Segundo disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, Israel deve assumir Rafah para eliminar os últimos batalhões restantes do Hamas e alcançar o seu objetivo de “vitória total” sobre o grupo, embora os combatentes do grupo terrorista tenham se reagrupado recentemente em outras partes de Gaza onde os militares já tinham operado.

Israel acredita que os líderes do Hamas e vários de seus agentes estão escondidos em Rafah, junto com um número desconhecido de reféns capturados durante as atrocidades cometidas pelo Hamas em 7 de outubro. Esta cidade no sul de Gaza também é considerada um dos últimos redutos onde as Forças de Defesa de Israel acreditam que o Hamas mantém grandes estoques de foguetes.

O exército israelense não acredita que o grupo terrorista tenha qualquer capacidade de fabricação de foguetes em meio à guerra, com os militares destruindo suas principais fábricas em outras áreas de Gaza.

Segundo uma avaliação recente das FDI, os planejadores militares acreditavam que o grupo ainda era capaz de lançar ataques com foguetes contra o centro de Israel a partir da área de Rafah.

O exército considerava provável que o grupo terrorista realizasse tal ataque conforme as tropas avançassem para dentro da cidade, uma vez que o Hamas já havia operado de maneira semelhante em outras áreas de Gaza.

Labirinto de túneis e esconderijos

Durante a guerra, o Hamas frequentemente lançou ataques com foguetes a partir de áreas onde as tropas avançavam, tentando impedir que as forças israelenses capturassem seus arsenais.

As dificuldades de remover o Hamas do ambiente urbano denso de Rafah e do labirinto de túneis subterrâneos e esconderijos do grupo terrorista foram intensificadas na sexta-feira, quando o Tribunal Internacional de Justiça emitiu uma decisão significativa, mas um tanto ambígua, instruindo Israel a interromper atividades militares que poderiam resultar na destruição da população civil abrigada ali.

Israel tem continuado a ofensiva desde a decisão, argumentando que a resolução permite algumas operações em Rafah e rejeitando interpretações que afirmam que a decisão exige a suspensão total da ofensiva.

“O que nos pedem é que não cometamos genocídio em Rafah. Não cometemos genocídio e não cometeremos genocídio”, disse o conselheiro de segurança nacional de Netanyahu, Tzachi Hanegbi, ao canal de notícias Channel 12 no sábado.

De acordo com o The Times of Israel, uma fonte israelense com conhecimento do pensamento do governo revelou no domingo que as FDI modificarão sua operação em Rafah em um futuro próximo, devido à pressão de Haia e em respeito ao possível reinício das conversações sobre reféns nesta semana. O exército continuará a operar, mas de maneira relativamente contida, afirmou a fonte.

‘Agentes terroristas’

Os militares já haviam argumentado que sua ofensiva em Rafah estava sendo conduzida de forma precisa, em resposta às exigências dos EUA, seu aliado mais importante.

No domingo anterior, o exército afirmou que as tropas haviam matado “agentes terroristas” que tentaram atacar soldados durante “operações direcionadas na área de Rafah”.

As tropas israelenses na cidade “localizaram poços de túneis e grandes quantidades de armas, incluindo AK-47, RPGs, granadas e explosivos” e atingiram dois lançadores de foguetes direcionados à passagem de fronteira de Kerem Shalom, informou o exército.

O exército também anunciou que as tropas descobriram um depósito subterrâneo de armas na semana passada, enquanto invadiam um edifício em Rafah suspeito de ser usado pelo Hamas como ponto de encontro.

O ministro da Defesa, Yoav Gallant, viajou para Rafah no domingo para ser informado sobre as operações em andamento, informou o exército.

“Nossos objetivos na Faixa de Gaza tornaram-se muito mais claros aqui em Rafah – eliminar o Hamas, trazer de volta os reféns e manter a liberdade de ação, isso é uma coisa fundamental”, disse ele às tropas na cidade.

Após o ataque com foguetes, o ministro do gabinete de guerra, Benny Gantz, afirmou que os lançamentos de foguetes demonstraram a necessidade de Israel continuar com sua ofensiva militar.

“O disparo [de mísseis] de hoje de Rafah prova que as FDI devem agir onde quer que o Hamas esteja e assim será”, disse ele enquanto visitava uma base militar no sul de Israel.

7 de outubro

A guerra eclodiu em 7 de outubro, quando milhares de terroristas liderados pelo Hamas invadiram comunidades e posições militares no sul de Israel, matando cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, fazendo 252 reféns e cometendo outras atrocidades.

O governo de Israel prometeu destruir o grupo para evitar que ele possa lançar um ataque desse tipo novamente e para recuperar os reféns, dos quais 121 ainda estão detidos em Gaza, juntamente com dois civis e os corpos de dois soldados que estão lá há quase uma década.

A campanha militar subsequente resultou na morte de mais de 35 mil habitantes de Gaza, conforme informado pelas autoridades de saúde da Faixa, administradas pelo Hamas. Esses números não podem ser verificados e não diferenciam entre civis e combatentes. Israel afirma ter matado cerca de 15 mil combatentes palestinos em batalha, além de cerca de 1.000 terroristas dentro de Israel em 7 de outubro.

Duzentos e oitenta e sete soldados israelenses foram mortos durante a ofensiva terrestre contra o Hamas e em operações ao longo da fronteira de Gaza. Isso inclui o sargento Betzalel Zvi Kovach, de 20 anos, que morreu no domingo devido aos ferimentos sofridos durante os combates no norte de Gaza em 22 de maio, segundo a IDF.

Um empreiteiro civil do Ministério da Defesa também foi morto na Faixa.

À medida que a guerra prosseguia, os outrora constantes ataques de foguetes provenientes de Gaza diminuíram progressivamente e se concentraram principalmente em áreas diretamente adjacentes à Faixa.

Entretanto, as preocupações com os ataques aéreos se deslocaram em grande parte para a fronteira norte de Israel, onde o grupo terrorista Hezbollah tem realizado ataques quase diários com foguetes, mísseis e drones a partir do sul do Líbano.

Sirenes de ataque aéreo

O ataque perpetrado pelo Hamas no domingo acionou sirenes de ataque aéreo em uma vasta área do centro de Israel, incluindo o centro econômico de Tel Aviv e grande parte de seus arredores ao norte. O ataque ocorreu por volta das 14h, quando muitas crianças estavam saindo da escola, e se estendeu até a cidade de Tel Yitzhak, um subúrbio de Netanya, localizado a cerca de 120 quilômetros de Rafah.

Enquanto centenas de milhares de pessoas procuravam abrigo, estilhaços de um foguete atingiram o telhado de uma casa em Herzliya, onde uma mulher idosa morava com sua cuidadora, fazendo com que parte do telhado desabasse em um quarto onde o cuidador estava.

“Houve um boom forte. Achei que a casa inteira havia desabado”, disse Narkis Bezalel, 85 anos. A cuidadora foi hospitalizada com ferimentos leves, junto com outra mulher ferida enquanto corria para um abrigo.

Destroços provocados pelos foguetes lançados pelo Hamas.(Captura de tela/YouTube/AFP)

Estilhaços também caíram em Ra’anana e outras cidades próximas.

O último ataque com foguetes de Gaza a Tel Aviv ocorreu em 29 de janeiro, quando 10 foguetes foram lançados contra a cidade e seus arredores ao sul. O último ataque a atingir o norte de Tel Aviv ocorreu em 21 de dezembro, quando uma rajada de cerca de uma dúzia de foguetes foi disparada contra Kfar Saba e outras cidades.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título