domingo,7 julho , 2024
Home Politica Eleições antecipadas na França vão definir futuro do país; entenda em 5 pontos

Eleições antecipadas na França vão definir futuro do país; entenda em 5 pontos

por Tais Laporta
0 Comente
eleicoes-antecipadas-na-franca-vao-definir-futuro-do-pais;-entenda-em-5-pontos

O apelo de Emmanuel Macron ao povo francês para “escrever a história” deve virar realidade no domingo (30), quando os eleitores irão às urnas para o primeiro turno das eleições legislativas no país. Mas esta pode não ser a história que o presidente francês esperava.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Nas três semanas desde que convocou a votação antecipada, no que descreveu como um “ato de confiança”, o partido de extrema-direita Reunião Nacional da sua rival, Marine Le Pen, conquistou uma liderança dominante nas sondagens. O grupo de Macron está em terceiro lugar, atrás de uma coligação remendada às pressas de partidos de esquerda que inclui Socialistas, Comunistas, Verdes e a extrema-esquerda França Insubmissa.

Continua depois da publicidade

O que está em jogo no cenário político da França?

A ação surpresa de Macron em 9 de junho seguiu-se a uma derrota nas eleições europeias a favor da extrema-direita francesa. Apanhou os seus aliados desprevenidos e desencadeou turbulência nos mercados sobre as potenciais consequências de uma Reunião Nacional ou de um governo de esquerda nas finanças públicas e nas empresas da segunda maior economia da área do euro. Cidadãos de todo o país analisaram o impacto do voto nos seus bolsos e em questões como a imigração e a segurança.

Num curto discurso televisionado anunciando a votação antecipada, Macron disse que “a ascensão dos nacionalistas, dos demagogos, é um perigo para a nossa nação, mas também para a nossa Europa, para o lugar da França na Europa e no mundo”.

O que dizem os adversários de Macron

Desde então, Macron tem sido acusado de destruir a sua aliança política centrista pelo seu antigo primeiro-ministro e potencial sucessor, Edouard Philippe, e de esmagar a democracia pelo chefe republicano de centro-direita do Senado, Gerard Larcher.

Continua depois da publicidade

Le Pen atacou a forma como o presidente lida com a economia, indo ao cerne da sua tentativa de construir um legado como reformador.

Emmanuel Macron (Foto: Christian Hartmann/Reuters)

Ela também analisou a forma como seu governo abordou questões fundamentais para seus apoiantes, como a imigração e a segurança. A coligação esquerdista Nova Frente Popular, entretanto, retratou-se como a única força política capaz de manter a Reunião Nacional longe do poder. Na frente econômica, apelou a um aumento acentuado do salário mínimo na França e a impostos mais elevados para os ricos.

Macron reagiu alertando para os perigos dos “extremos”, dizendo que as agendas dos blocos de extrema-direita e de extrema-esquerda colocam as pessoas umas contra as outras e podem levar à “guerra civil”.

Continua depois da publicidade

Por que Macron antecipou as eleições?

As dificuldades do presidente começaram quando o seu partido perdeu a maioria absoluta na Assembleia Nacional na votação legislativa que se seguiu à sua reeleição para um segundo mandato de cinco anos em 2022.

Marine Le Pen, líder do Reunião Nacional, em Henin-Beaumont, norte da França 14/6/2024 REUTERS/Sarah Meyssonnier

O seu governo tem lutado para construir consenso no parlamento para aprovar reformas importantes. A sua popularidade despencou no ano passado, quando promoveu um aumento impopular da idade de reforma, utilizando uma ferramenta constitucional para contornar a votação, apesar de meses de protestos. No entanto, sobreviveu aos movimentos de censura com a ajuda dos republicanos, embora esse partido tenha agora se dividido depois do seu líder, Eric Ciotti, se ter aliado a Le Pen.

Macron diz que dissolver o Parlamento e convocar uma votação foi a única forma de evitar uma maior confusão no outono, quando disse que os partidos da oposição planeavam expulsar o seu governo durante a votação do orçamento anual.

Continua depois da publicidade

Embora alguns dos 577 assentos na Câmara baixa sejam decididos no domingo, a maioria provavelmente irá para um segundo turno em 7 de julho. A votação em dois turnos torna as previsões de assentos complicadas, mas as projeções das empresas de pesquisa mostram que o Rally Nacional e seus aliados estão em andamento. pista para se tornar a maior formação. O grupo de Le Pen precisaria de 289 legisladores para ter maioria absoluta. Duas pesquisas publicadas na sexta-feira, pela Elabe e Odoxa, estimaram que obteria 260-295 e 265-305 assentos, respectivamente.

Quem pode vencer no primeiro turno?

Uma pesquisa separada da LegiTrack OpinionWay-Vae Solis sobre intenções de voto entre 1.058 pessoas mostrou que várias dezenas de candidatos ao Rally Nacional serão eleitos imediatamente no primeiro turno, com cerca de 400 presentes no segundo, onde o número de segundo turnos triplos deverá chegar a 150-200, um recorde.

Como os mercados reagiram à turbulência política?

Esta incerteza refletiu-se no final da semana, quando investidores fugiram de ativos franceses. O rendimento das notas do governo de 10 anos subiu para o maior nível desde novembro, ampliando o spread sobre os títulos alemães mais seguros para 86 pontos base – o maior desde 2012. O índice de ações de referência CAC 40 caiu pelo quarto dia, rumo ao seu nível mais baixo desde janeiro.

Continua depois da publicidade

Com informações da Bloomberg

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título