segunda-feira,8 julho , 2024
Home Economia Brexit, estagnação de renda e queda dos investimentos: veja os desafios no novo premiê britânico na economia | CNN Brasil

Brexit, estagnação de renda e queda dos investimentos: veja os desafios no novo premiê britânico na economia | CNN Brasil

por isabellamarzolla
0 Comente
brexit,-estagnacao-de-renda-e-queda-dos-investimentos:-veja-os-desafios-no-novo-premie-britanico-na-economia-|-cnn-brasil

Os eleitores britânicos deram ao Partido Trabalhista a sua primeira vitória eleitoral em quase duas décadas, esperando que um novo governo de centro-esquerda reanime a economia em dificuldades no Reino Unido e conserte os serviços públicos em colapso.

Este momento marcante fecha a cortina sobre 14 anos de governo tumultuado do Partido Conservador — definido pela austeridade, pelo Brexit e por uma aposta desastrosa de redução de impostos — durante os quais a renda estagnou, os padrões de vida se deterioraram e o investimento empresarial secou.

A vitória é um triunfo para Keir Starmer, um ex-promotor-chefe que só entrou no parlamento em 2015.

Ele foi nomeado primeiro-ministro na sexta-feira (5), sucedendo Rishi Sunak, que renunciou após a derrota histórica dos conservadores.

“A mudança começa agora”, disse Starmer anteriormente em um discurso de vitória aos trabalhadores do partido. “É uma sensação boa, tenho que ser honesto.”

Mas o júbilo do Partido Trabalhista poderá em breve dar lugar à apreensão, dados os desafios econômicos que se avizinham.

Desde governos locais falidos, infraestruturas em ruínas e uma escassez crônica de habitação, até ao aumento do número de pessoas em situação de rua e a um Serviço Nacional de Saúde em estado de crise, a lista de problemas é longa.

Numa população em idade ativa (16 a 64 anos) de cerca de 42,4 milhões, mais de 2,8 milhões estão desempregadas devido a problemas de saúde crônicos.

Cerca de 6,7 milhões de pessoas beneficiam do Crédito Universal da Inglaterra, Escócia e País de Gales, uma ajuda para arcar com o custo de vida. Esse número inclui muitos trabalhadores.

Os britânicos estão, sem surpresa, desesperados por mudanças.

Mas a capacidade do novo governo para resolver estas questões será severamente limitada por um peso da dívida agora maior do que o tamanho da economia, o que significa que aumentos de impostos ou cortes na despesa são inevitáveis.

Tornando estes problemas ainda mais difíceis de resolver: crescimento econômico teimosamente baixo.

A economia do Reino Unido quase não cresceu no ano passado. Os rendimentos também estão estagnados. Ajustados pela inflação, os salários aumentaram muito pouco desde 2010, o que significa que as pessoas não estão substancialmente em uma situação melhor.

“A história (da economia britânica) continua a ser de estagnação desde a crise financeira (global)”, escreveu o think tank Resolution Foundation em um relatório no mês passado.

Acabar com a estagnação exigirá um grande aumento do investimento por parte das empresas e do governo para aumentar a produtividade, uma medida de eficiência econômica que tem sido excepcionalmente fraca há mais de uma década.

Um investimento mais elevado proporcionaria “a infraestrutura, o equipamento e a investigação e desenvolvimento que tornam os trabalhadores mais eficientes”, disse Gregory Thwaites, diretor de research da Resolution Foundation, à CNN.

“Se tivermos um maior crescimento da produtividade, então teremos maior (crescimento do produto interno bruto) e salários mais elevados.”

Começando os trabalhos

A boa notícia é que o Partido Trabalhista fez do lançamento do crescimento econômico — por um maior investimento público, de uma nova estratégia industrial e de reformas políticas — a sua principal prioridade.

A notícia menos boa é que também se comprometeu a reduzir a dívida pública altíssima ignorando em grande parte as escolhas difíceis em matéria de impostos e despesas necessárias para atingir esse objetivo.

Até certo ponto, o governo espera provavelmente que o crescimento econômico seja mais forte do que o previsto e ajude ambos os objetivos.

“Sim, o crescimento pode surpreender positivamente e, se isso acontecer, a aritmética fiscal será mais fácil”, disse Paul Johnson, diretor do think tank apartidário Institute for Fiscal Studies (IFS).

“Mas se isso não acontecer — e não tem sido assim nos últimos anos — então ou teremos esses cortes (nos gastos), ou as metas fiscais serão falsificadas, ou os impostos aumentarão.”

Entretanto, os trabalhistas insistem que as suas políticas de estímulo ao crescimento estão “totalmente custeadas”.

Entre os seus planos mais atraentes está um Fundo Nacional de Riqueza de 7,3 mil milhões de libras (US$ 9,3 mil milhões) para investir em infraestruturas e na transição para a energia verde como parte de uma estratégia industrial mais ampla.

Uma nova empresa pública de energia, a Great British Energy, terá como objetivo descarbonizar a rede energética do Reino Unido até 2030.

A sua criação custará 8,3 mil milhões de libras (U$ 10,6 mil milhões), parcialmente paga via um imposto extraordinário sobre as empresas de petróleo e gás.

Também uma prioridade fundamental para o Partido Trabalhista: reformar as leis de planejamento da Grã-Bretanha, que espera desbloquear um boom de construção que produza 1,5 milhão de casas nos próximos cinco anos, ajudando a tornar a habitação mais acessível.

Embora muitos tenham saudado o foco do Partido Trabalhista no crescimento, não há falta de cepticismo sobre se os seus planos pouco detalhados irão de fato atingir os seus objetivos.

Para além do aumento substancial do investimento em projetos verdes, todas as outras áreas de investimento ficarão congeladas em termos de caixa durante os próximos cinco anos, salienta o IFS.

E os aumentos planejados nas despesas com serviços públicos em ruínas, como a saúde e a educação, são “minúsculos e quase triviais”, segundo Johnson.

“Proporcionar uma mudança genuína quase certamente também exigirá a disponibilização de recursos reais. E o manifesto trabalhista não oferece nenhuma indicação de que exista um plano sobre de onde viria o dinheiro para financiar isso”, disse em comunicado.

Aproveitando oportunidades

Em última análise, o governo precisará de um aumento no investimento por parte das empresas — que definhou desde o referendo do Brexit em 2016 — para concretizar os seus planos.

Uma forma de o Partido Trabalhista ajudar a estimular esse investimento é estabelecer políticas de energia verde claras e consistentes com melhores incentivos fiscais, de acordo com a Confederação da Indústria Empresarial, um grupo de lobby empresarial.

“Net zero [redução da emissão de gases de efeito estufa] é um grande foco para muitas empresas”, disse a economista-chefe do CBI, Louise Hellem, à CNN.

“É muito importante que um governo estabeleça ambições e metas globais. O importante aqui é a certeza.”

Sob o governo conservador, a proibição da venda de novos automóveis a gasolina e diesel, anunciada em 2020, foi abruptamente adiada em setembro passado por cinco anos, até 2035, enfurecendo alguns fabricantes de automóveis.

O Partido Trabalhista disse que reverterá a medida “para dar segurança aos fabricantes”.

Está também determinado a “fazer com que a Grã-Bretanha construa novamente”, com Rachel Reeves, do Partido Trabalhista, provavelmente a próxima ministra das Finanças, a descrever o rigoroso regime de planejamento do país como “o maior obstáculo ao nosso sucesso econômico”.

Embora o foco na certeza política e no planejamento da reforma seja encorajador, o Partido Trabalhista é decididamente menos ambicioso quando se trata de uma terceira área crucial para relançar o crescimento econômico: a importantíssima relação da Grã-Bretanha com a União Europeia, ainda o seu maior parceiro comercial.

Os tímidos planos trabalhistas para melhorar essa relação pouco contribuirão para reduzir os custos econômicos do Brexit, que prejudicou o comércio de bens do Reino Unido e provocou um impacto estimado no PIB entre 2% e 4% desde o referendo de 2016, conforme o UK in a Changing Europe.

As propostas do partido são em grande parte “técnicas”, como a redução da burocracia no comércio de alimentos, afirmou o think tank em relatório no mês passado.

“Quaisquer ganhos provenientes de melhorias técnicas serão relativamente mínimos: úteis na redução de fricções comerciais, mas não suficientes para realmente enfrentar os impactos econômicos contínuos do Brexit.”

O Brexit também prejudicou o investimento empresarial e deverá reduzir a produção nacional em 4% no longo prazo, em comparação com o que teria sido se a Grã-Bretanha tivesse permanecido na UE, de acordo com o Gabinete de Responsabilidade Orçamental, que produz previsões econômicas para o governo.

O comércio deverá ser cerca de 15% menor.

Mas, apesar do Brexit, existem alguns pontos positivos no comércio. Por exemplo, as exportações de serviços da Grã-Bretanha cresceram mais rapidamente do que a média do G7 desde 2021.

De acordo com a Resolution Foundation, o Reino Unido é hoje o segundo maior exportador mundial de serviços — uma categoria que inclui finanças, direito, educação, arquitectura e artes — atrás apenas dos Estados Unidos.

Tem também outros pontos fortes, desde instituições fortes e o Estado de direito, até universidades de classe mundial, empresas inovadoras e uma força de trabalho altamente qualificada.

Starmer e o seu novo governo terão de aproveitar estes pontos fortes e desenvolver novos, para criar um ambiente propício ao crescimento da Grã-Bretanha.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título