terça-feira,9 julho , 2024
Home Economia Boeing concorda em declarar culpa por fraude em investigações envolvendo acidentes com 737 Max | CNN Brasil

Boeing concorda em declarar culpa por fraude em investigações envolvendo acidentes com 737 Max | CNN Brasil

por danilocruz
0 Comente
boeing-concorda-em-declarar-culpa-por-fraude-em-investigacoes-envolvendo-acidentes-com-737-max-|-cnn-brasil

A Boeing concordou em se declarar culpada de uma acusação de conspiração para enganar a agência de aviação dos Estados Unidos por seu papel em dois acidentes fatais do 737 Max, disse o Departamento de Justiça em um processo judicial na noite de domingo.

Isso representa mais um problema para a empresa após uma série de erros de segurança, mas o acordo evita o que poderia ter consequências mais sérias.

A empresa pagará até US$ 487 milhões em multas — uma fração dos US$ 24,8 bilhões que as famílias das vítimas do acidente queriam que a fabricante de aeronaves pagasse. As famílias das vítimas de dois acidentes fatais do 737 Max se opõem ao acordo, disse o departamento.

A confissão de culpa é um golpe severo para a reputação da Boeing, uma empresa antes conhecida pela qualidade e segurança de seus aviões comerciais. Além dos acidentes fatais dos jatos 737 Max, a empresa enfrentou uma série de questões sobre a segurança e a qualidade de seus aviões.

Em janeiro, um plugue de porta em um 737 Max pilotado pela Alaska Airlines explodiu no início de um voo, deixando um buraco enorme na lateral do jato e prejudicando ainda mais a reputação da Boeing.

O acordo estipula que a Boeing terá que operar sob a supervisão de um monitor independente – uma pessoa a ser escolhida pelo governo – por um período de três anos. Mas essa supervisão e a multa não satisfizeram as famílias das vítimas, de acordo com um de seus advogados.

“Este acordo favorável não reconhece que, por causa da conspiração da Boeing, 346 pessoas morreram”, disse Paul Cassell, professor de direito na Universidade de Utah que representa muitos familiares das vítimas do acidente da Lion Air em 2018 e da Ethiopian Air em 2019.

“Este acordo enganoso e generoso claramente não é do interesse público”, ele acrescentou. As famílias estão buscando um julgamento público sobre as acusações.

Departamento de Justiça defende acordo

O Departamento de Justiça argumenta que as penalidades com as quais a Boeing concordou eram as mais sérias disponíveis. Ele argumentou que ganhou outras melhorias também, incluindo a supervisão de um monitor e a demanda de que a Boeing gastasse mais em segurança e conformidade com as regras ao construir aeronaves.

“Esta resolução protege o público americano”, disse a declaração do DOJ. “A Boeing será obrigada a fazer investimentos históricos para fortalecer e integrar seus programas de conformidade e segurança. Esta condenação criminal demonstra o comprometimento do departamento em responsabilizar a Boeing por sua má conduta.”

A declaração também levantou a possibilidade de mais problemas legais para a Boeing e seus executivos. Ela disse que, embora nenhum indivíduo enfrente acusações criminais como resultado deste acordo, “o DOJ está resolvendo apenas com a empresa — e não fornecendo imunidade a nenhum funcionário individual, incluindo executivos corporativos, por qualquer conduta.”

“O DOJ está resolvendo com a Boeing apenas por má conduta que antecedeu os acidentes do 737 Max — e não fornecendo imunidade para nenhuma outra conduta corporativa, incluindo o incidente do voo 1282 da Alaska Airlines”, acrescentou. Embora ninguém tenha ficado gravemente ferido naquele voo, a CNN confirmou que os passageiros e a tripulação daquele voo receberam notificação de que podem ser considerados vítimas de um crime.

Mas familiares das vítimas dos dois acidentes aéreos fatais criticaram o acordo judicial na manhã de segunda-feira.

“Erro judiciário é um eufemismo grosseiro ao descrever isso”, disse uma declaração de Zipporah Kuria, da Inglaterra, que perdeu seu pai, Joseph, no acidente da Ethiopian Airlines. “É uma abominação atroz. Espero que, Deus me livre, se isso acontecer novamente, o DOJ seja lembrado de que teve a oportunidade de fazer algo significativo e, em vez disso, escolheu não fazer.”

“Sem total transparência e responsabilidade, nada mudará”, disse uma declaração do morador da Califórnia Ike Riffel, que perdeu seus dois filhos, Melvin e Bennett, no acidente. “Com este acordo, não haverá investigação, não haverá depoimento de testemunha especialista, não haverá perpetradores desses crimes para responder às acusações no tribunal.”

“As penalidades e condições impostas à Boeing como resultado deste acordo de confissão de culpa não são substancialmente diferentes daquelas que falharam em mudar a cultura de segurança da Boeing e que resultaram na explosão da porta da Alaska Air”, disse o engenheiro aeroespacial Javier de Luis, que perdeu sua irmã Graziella no segundo acidente. “Quando o próximo acidente acontecer, cada funcionário do DOJ que assinou este acordo será tão responsável quanto os executivos da Boeing que se recusam a colocar a segurança à frente dos lucros.”

A Boeing emitiu uma breve declaração dizendo apenas que pode “confirmar que chegamos a um acordo em princípio sobre os termos de uma resolução com o Departamento de Justiça, sujeito à … aprovação de termos específicos”.

Os investidores da Boeing pareceram satisfeitos com os termos do acordo. As ações da Boeing ( BA ), um componente do índice industrial Dow Jones, subiram 3% nas negociações da manhã.

Uma falha de projeto escondida dos reguladores

De acordo com as acusações, a empresa fraudou a Administração Federal de Aviação durante o processo de certificação do 737 Max para transportar seus primeiros passageiros. O avião começou a operar em 2017, mas os dois acidentes fatais levaram a uma paralisação dos jatos por 20 meses.

As investigações revelaram uma falha de projeto em seu sistema de piloto automático. A Boeing admitiu a responsabilidade pelos acidentes fatais e que seus funcionários ocultaram informações sobre a falha de projeto da FAA durante a certificação.

Em janeiro de 2021, os promotores federais e a Boeing chegaram a um acordo para resolver as acusações criminais e adiar qualquer processo sobre o assunto. Durante um período probatório de três anos que se seguiu, a Boeing concordou em melhorar seus problemas de qualidade e transparência com o governo. Mas o incidente da Alaska Airlines ocorreu poucos dias antes do fim do período probatório, o que levou a uma série de investigações federais sobre suas práticas.

Em maio, o DOJ disse que estava  analisando a possibilidade de apresentar acusações criminais  contra a Boeing mais uma vez devido a uma potencial violação daquele acordo de janeiro de 2021. A Boeing argumentou em seus próprios autos que não violou o acordo e que deveria ser poupada de processo. A confissão de culpa de domingo à noite, que ocorreu pouco antes do prazo de meia-noite definido pelo DOJ, resolveu essa questão.

Custo da confissão de culpa

Sob o acordo original de 2021, a Boeing concordou em pagar US$ 2,5 bilhões. Mas cerca de 70% desse valor representava pagamentos que a Boeing já havia concordado em fazer aos seus clientes de companhias aéreas como compensação pelos 20 meses de paralisação dos aviões.

Outros US$ 500 milhões eram um fundo para compensar as vítimas do acidente. Apenas US$ 243,6 milhões representavam uma multa criminal ao governo, que seria dobrada após a nova confissão de culpa.

A Boeing também concordou em gastar US$ 455 milhões em seus programas de conformidade e segurança nos próximos três anos, o que, segundo o governo, representará um aumento de 75% em relação ao que a empresa gastava anualmente nesses programas.

Os vários problemas da empresa causaram perdas financeiras profundas desde o segundo acidente fatal do 737 Max. Ela registrou perdas operacionais básicas de US$ 31,9 bilhões desde o início do aterramento de 20 meses. Ela também corre o risco de perder sua classificação de crédito de grau de investimento pela primeira vez em sua história.

A empresa agora tem quase US$ 47 bilhões em dívidas de longo prazo e, se sua classificação de dívida for rebaixada para o status de título de alto risco, seu custo de empréstimo aumentará vertiginosamente.

Mas uma multa adicional de centenas de milhões, em vez de bilhões, ainda é acessível para a empresa, apesar de seus problemas financeiros.

Nenhuma perda de contratos governamentais

A empresa evitou outra penalidade séria — a perda do direito de fazer negócios com o governo.

Tal penalidade teria sido um golpe devastador para a fabricante de aviões. Cerca de 37% de sua receita em 2023 veio de contratos federais.

De acordo com Richard Aboulafia, diretor administrativo da AeroDynamic Advisory, uma consultora de gestão aeroespacial e de defesa, a possibilidade de tal penalidade era mínima, já que tanto a Boeing quanto o governo federal dependem muito um do outro.

Apesar dos problemas nos últimos cinco anos, a Boeing ainda é um componente essencial da economia dos EUA. Ela continua sendo a maior exportadora do país e tem quase 150.000 funcionários nos EUA. A empresa estima seu impacto econômico em US$ 79 bilhões, apoiando 1,6 milhão de empregos diretos e indiretos em mais de 9.900 fornecedores espalhados por todos os 50 estados.

Seu único concorrente significativo em aeronaves comerciais, a fabricante europeia Airbus, tem uma carteira de pedidos de mais de 8.000 jatos, o que significa que qualquer cliente da Boeing que fizer um pedido de um avião Airbus hoje terá que esperar quase uma década para que ele seja entregue.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título