quinta-feira,11 julho , 2024
Home Policia Ataques terroristas forçam igreja a fechar 70 templos na Nigéria

Ataques terroristas forçam igreja a fechar 70 templos na Nigéria

por REDAÇÃO
0 Comente
ataques-terroristas-forcam-igreja-a-fechar-70-templos-na-nigeria

Ataques terroristas forçaram uma denominação a fechar 70 igrejas no estado de Plateau, no centro da Nigéria e no noroeste do país. 

O pastor Amos Mohzo, presidente da Igreja de Cristo nas Nações (COCIN), informou que ataques de pastores Fulani e outros terroristas forçaram 70 congregações nos condados de Mangu e Bokkos, a interromper os cultos nos últimos dois anos.

Os ataques que ocorreram no período de Natal em dezembro de 2023 afetaram diretamente as congregações da COCIN.

“Nossos membros foram mortos, pessoas foram mortas, pessoas perderam suas casas, muitas ficaram traumatizadas, e não podíamos fazer nada”, disse o pastor ao Morning Star News. 

“Ficamos presos, mas tivemos que encarar o desafio, e o Natal foi celebrado por cristãos deslocados em campos de Pessoas Desalojadas Internamente (IDPs) apesar da tragédia”, acrescentou.

Na área de Mangu, os ataques forçaram o fechamento de pelo menos 40 congregações da COCIN.

“A maioria desses membros da nossa igreja foram deslocados, e muitos deles estão vivendo em acampamentos fora de suas comunidades. A maioria desses cristãos têm se mudado para cá e para lá tentando sobreviver ou encontrar socorro”, relatou Mohzo. 

Na área de Bokkos, a denominação perdeu cerca de 30 igrejas: “Todos os nossos prédios de adoração nessas comunidades foram queimados pelos terroristas”.

“Em alguns casos, os cristãos que ousaram retornar às suas fazendas formaram grupos comunitários para uma maior sensação de segurança. Os membros de nossa igreja deslocados ainda acham difícil ir para suas fazendas para atividades produtivas por causa dos ataques incessantes contra eles por terroristas armados, pastores e bandidos”, contou Mohzo.

“Com esses desenvolvimentos, temos feito esforços para ver que os membros de nossa igreja que sobreviveram a esses ataques e estão vivendo em acampamentos fora de suas comunidades sejam realocados de volta para suas comunidades; mas então, temos que reconstruir não apenas congregações, mas também suas casas queimadas”, acrescentou.

Desafio das vítimas 

O pastor relatou que o trabalho evangelístico da COCIN no nordeste da Nigéria também foi prejudicado pelos ataques do Boko Haram e da Província do Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP).

“O Boko Haram assumiu o controle da vila anos atrás, e eles ainda estão lá. Então, essas colinas ocupadas pelos terroristas do Boko Haram têm vista para as cidades de Limankara e Gwoza. Esses terroristas descem das colinas para atacar nossas comunidades e depois recuam para as colinas”, disse ele.

Em Gwoza, os ataques que ocorreram no dia 29 de junho mataram e mutilaram cristãos e muçulmanos.

“Vivemos juntos como uma comunidade. No entanto, com a chegada da rebelião, o surgimento do Boko Haram no estado de Borno, muitos de nossos povos foram mortos, e outros foram expulsos e deslocados para outras áreas da Nigéria. Aqueles que não tinham para onde ir tiveram que ficar para trás e decidir morrer quando atacados pelos terroristas”, afirmou o pastor.

E continuou: “A vida não tem sido fácil para os sobreviventes. Eles não podem ir para suas fazendas por causa dos terroristas, então eles dependem de Organizações Não Governamentais para apoiá-los. E com as dificuldades econômicas atuais que estão sendo vivenciadas no país, as ONGs também não conseguem atender a esses cristãos deslocados”.

Crise financeira 

O grande número de sequestros dificulta a arrecadação de fundos, pois segundo Mohzo, em quase todo o país, os membros da igreja e pastores estão sendo sequestrados por terroristas.

“Nós, como igreja, somos prejudicados, porque é impossível levantar dinheiro o tempo todo para pagar resgates a terroristas a fim de garantir a libertação de pastores mantidos em cativeiro”, explicou o pastor.

No entanto, os líderes da COCIN têm apelado a indivíduos e organizações para ajudar a garantir a libertação do pastor Musa e sua esposa — que estão em cativeiro há mais de um ano — e de outros membros da igreja. 

Após visitar os filhos de Musa, Mohzo contou: “Eles estão traumatizados. As crianças estão sempre chorando por seus pais. Doi meu coração os ver dessa forma”.

No noroeste da Nigéria, as igrejas também sofreram com ataques terroristas.

“Atividades de evangelização foram impedidas nesta parte do país. Como podemos deliberadamente colocar em risco e colocar em risco as vidas daqueles chamados ao ministério, quando sabemos que eles se tornarão alvos de ataques terroristas?”, questionou Mohzo.

A Nigéria ficou em 6º lugar na Lista Mundial de Observação da Missão Portas Abertas de 2024 dos lugares mais difíceis para ser cristão.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título