segunda-feira,22 julho , 2024
Home Mundo Armênia reconhece Estado Palestino, mas afirma não ser anti-Israel

Armênia reconhece Estado Palestino, mas afirma não ser anti-Israel

por REDAÇÃO
0 Comente
armenia-reconhece-estado-palestino,-mas-afirma-nao-ser-anti-israel

O ex-embaixador da Armênia nos Estados Unidos e vice-ministro das Relações Exteriores, Grigor Hovhannissian declarou que o reconhecimento de seu país ao Estado Palestino não o torna anti-Israel.

O diplomata disse que há um profundo senso de história compartilhada, afinidade e mentalidade semelhante entre Armênia e Israel, que perdura apesar das relações militares de Israel com o Azerbaijão e a Turquia.

“Não há antissemitismo subjacente na Armênia, assim como não há armenofobia inerente em Israel. Ambas as nações enfrentaram perseguição e genocídio, definindo-se não territorialmente, mas por meio de uma dualidade que as expõe a escolhas difíceis durante crises internacionais”.

Na semana passada, a Armênia se tornou o 145º estado-membro das Nações Unidas a reconhecer o estado da Palestina – mesmo com Israel continuando em guerra contra o Hamas em Gaza.

“Confirmando seu compromisso com o direito internacional e os princípios de igualdade, soberania e coexistência pacífica dos povos, a República da Armênia reconhece o Estado da Palestina”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Armênia em um comunicado.

Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores de Israel convocou o embaixador armênio para uma “dura conversa de repreensão”, de acordo com um porta-voz do ministério.

Limpeza étnica

Hovhannissian lembra que no ano passado, os armênios sofreram “uma terrível limpeza étnica nas mãos do Azerbaijão, que foi armado em um grau significativo por Israel”.

“Estes são tempos de teste para as relações armênio-israelenses, mas devemos navegar nessas águas turbulentas para aproveitar nossos muitos ativos compartilhados. Nossas comunidades globais colaboram no combate ao extremismo e no desenvolvimento de inovações, como vacinas criadas na Moderna, uma empresa com raízes armênias”, disse.

Hovhannissian disse ainda que há também uma crescente comunidade judaica na Armênia, composta por cidadãos russos e ucranianos que fugiram da hostilidade e dos recrutamentos militares.

“Muitos deles estão pensando em se estabelecer, acolhendo a Armênia e começando suas novas vidas”, declarou.

Reorientação geopolítica

Hovhannissian afirmou que estrategicamente, a Armênia está passando por uma reorientação geopolítica dramática, se aproximando dos Estados Unidos e contemplando a filiação à UE, ao mesmo tempo em que se junta a projetos de integração regional e transporte que moldarão o futuro comércio eurasiano.

“Israel deve considerar apoiar as políticas dos EUA nesta região para ajudar a Armênia a fortalecer suas instituições democráticas e contribuir para reformular suas estratégias de segurança. Esta cooperação aumentará as pegadas de ambos os países na região e além, incluindo na Índia e nos estados do Golfo”, disse.

Por que a Armênia reconheceu a Palestina?

Após a manifestação de Hovhannissian, houve um questionamento: Por que a Armênia reconheceu a Palestina?

Segundo Hovhannissian, a decisão aconteceu após décadas de reconhecimentos semelhantes por antigos países soviéticos e do bloco de Varsóvia, todos os vizinhos da Armênia e vários estados-membros da UE.

“Embora esta medida possa parecer inoportuna, especialmente para aqueles que há muito defendem laços mais próximos com Israel, é essencial entender os princípios subjacentes que orientam a decisão da Armênia”, disse.

‘Vizinhança hostil’

Ele explica que a Armênia emergiu dos destroços do Império Soviético como uma nação independente em uma vizinhança desafiadora e hostil:

“Historicamente, a Armênia tem lutado para garantir sua sobrevivência e preservar sua identidade distinta como representante da civilização ocidental no Oriente Médio. Pobre em recursos e militarmente superada por rivais regionais, a Armênia tem confiado fortemente na legitimidade internacional – o direito à autodeterminação, a prevenção de genocídio e o não uso da força em disputas como pedras angulares de sua política externa”.

Hovhannissian relembra que em setembro passado, o Azerbaijão atacou e invadiu o enclave de Artsakh, povoado por armênios étnicos, encerrando o autogoverno que estava em vigor desde o colapso da União Soviética durante o período comunista e antes dele.

Ele diz que, fortemente dependentes de armamento israelense, as forças azerbaijanas forçaram o êxodo de toda a população de mais de 120.000 pessoas.

“Mas o trágico não é, apesar do que os israelenses possam suspeitar, o motivo do reconhecimento da Palestina”, disse.

“Em vez disso, isso tinha a ver com as obrigações autodeclaradas do país em relação a casos de autodeterminação reconhecidos internacionalmente, incluindo Palestina e, potencialmente, Kosovo, Sudão do Sul e outros no futuro”, justificou.

Controvérsia

Hovhannissian relata que o momento do reconhecimento da Palestina pela Armênia gerou controvérsia tanto em casa quanto em Israel.

“Muitos percebem que o ato durante o conflito de Gaza envia sinais errados aos beligerantes. Se for esse o caso, é uma externalidade lamentável não prevista pelos formuladores de políticas armênios. A decisão da Armênia pode ter sido influenciada por poderosos atores regionais, destacando sua maior suscetibilidade a pressões de vizinhos revigorados como a Turquia após a guerra Armênia-Azerbaijão de 2020”.

“A reação em Israel tem sido particularmente veemente, com reação negativa da mídia e advertências severas do MFA israelense sobre a potencial deterioração nas relações bilaterais”, disse, afirmando qwue essa reação contrasta fortemente com as respostas a reconhecimentos semelhantes da Espanha, Eslovênia e Bélgica.

“Ela levanta a questão de por que o reconhecimento da Armênia é percebido como menos perdoável do que o dos outros 144 países”, questiona.

“Da mesma forma, nossos colegas israelenses frequentemente questionam por que é aceitável que outros países, como Rússia e Belarus, vendam armas ao Azerbaijão, mas não a Israel. A resposta está nas expectativas e na crença de que Armênia e Israel, como os únicos dois países não muçulmanos e democráticos no grande Oriente Médio, não devem prejudicar um ao outro, mas trabalhar juntos pela estabilidade e prosperidade regionais”.

Por fim, Hovhannissian disse que o reconhecimento da Palestina pela Armênia se alinha com seus princípios de longa data e não deve ser visto como um prejuízo para as futuras relações armênio-israelenses. Em vez disso, ambas as nações devem reafirmar seus valores compartilhados e trabalhar juntas para um futuro mais estável e próspero.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título