segunda-feira,22 julho , 2024
Home Mundo Apesar de Espanha, Irlanda e Noruega, maioria da Europa apoia Israel em nível recorde

Apesar de Espanha, Irlanda e Noruega, maioria da Europa apoia Israel em nível recorde

por REDAÇÃO
0 Comente
apesar-de-espanha,-irlanda-e-noruega,-maioria-da-europa-apoia-israel-em-nivel-recorde

Em uma mudança significativa em relação às políticas externas da maioria dos países europeus, Espanha, Noruega e Irlanda reconheceram oficialmente o Estado palestino com Jerusalém Oriental como capital.

A medida, considerada por muitos como uma declaração política por ser impraticável, é vista pelos críticos de Israel como uma grande vitória, enquanto seus apoiadores a consideram uma decisão diplomática lamentável, especialmente à medida que as forças israelenses (FDI) expandem suas operações em Rafah.

Daniel Shadmy, porta-voz da Rede de Liderança Europeia (ELNET) em Israel, uma ONG que promove os laços entre Israel e Europa, explicou ao The Media Line que as decisões desses três países precisam ser contextualizadas dentro de uma perspectiva mais ampla das relações da Europa com Israel.

“A relação de Israel com a Europa tem sido bastante positiva, especialmente desde 7 de outubro, resultando em um elevado nível de apoio da maioria dos países, que continua até hoje.”

“De fato, enquanto os EUA têm debatido a possibilidade de reter armas destinadas a Israel”, continuou Shadmy, “a maioria dos países europeus, liderados pela Alemanha, continua comprando tecnologia de defesa israelense para proteger seus próprios cidadãos em programas que custam bilhões de dólares.”

Shadmy também ressaltou que, apesar da decisão tomada por Espanha, Irlanda e Noruega, o apoio europeu a Israel permanece forte tanto nos círculos governamentais quanto entre a população.

“Desde 7 de outubro, os europeus têm mostrado um apoio sem precedentes a Israel, incluindo o Reino Unido, Alemanha, França e Itália. Desde a rejeição das acusações do TIJ e do TPI até à adoção da definição de antissemitismo da Aliança Internacional para a Memória do Holocausto, a maioria dos países europeus está ativamente apoiando Israel da maneira que pode.”

Uma maioria silenciosa apoia Israel

Segundo o porta-voz do ELNET, uma maioria significativa da população na Europa apoia Israel, apesar do surgimento de protestos nas ruas das grandes capitais.

“Por exemplo, mesmo em contextos aparentemente menos sérios como a Eurovisão, a competição tornou-se subitamente muito política. Os votos do público de países como Irlanda, Espanha, Bélgica, Noruega, Reino Unido e França deram a Israel o maior número de pontos. Isso atraiu comentários até mesmo de líderes políticos, destacando o apoio generalizado, o que é algo digno de nota”, acrescentou Shadmy.

“Em relação ao reconhecimento do Estado palestino, as decisões de Espanha, Irlanda e Noruega assumem que a ausência de um Estado palestino é a origem do conflito. No entanto, na opinião da maioria dos países europeus, reconhecer unilateralmente o Estado palestino sem um acordo de paz final com Israel parece uma recompensa ao terrorismo”, acrescentou.

“Os países que estão reconhecendo o Estado palestino dizem que o fazem porque acreditam que isso pressionará Israel a parar a guerra, mas estão agindo principalmente como uma estratégia política para atrair seus eleitores. Independentemente do motivo, no fim das contas, esse reconhecimento não atende nem aos critérios mínimos para a formação de um estado, tornando-se, de certa forma, sem significado.”

Shadmy concluiu seus argumentos destacando que alguns países estão reconhecendo publicamente esse problema. “Nesta semana, o Parlamento da Dinamarca votou contra o projeto de lei para reconhecer o Estado palestino, após o próprio Ministro dos Negócios Estrangeiros dinamarquês afirmar que faltavam as condições prévias necessárias para um país independente. Reconhecer o Estado palestino sem que isso faça parte de algum processo de negociação com Israel não trará progresso, mas sim um golpe de relações públicas. No entanto, esse golpe de relações públicas pode ter consequências muito negativas.”

‘Contradições que tornam o Estado palestino’

A pesquisadora da Universidade Europeia, professora Dra. Beatriz Gutiérrez López, explicou que o reconhecimento de um Estado é principalmente simbólico, e que Espanha, Noruega e Irlanda estão cientes das contradições que tornam o Estado palestino impraticável.

“Por um lado, houve uma onda internacional de reconhecimento depois que 140 membros da ONU votaram a favor de um Estado palestino na Assembleia Geral. No entanto, essa declaração é simbólica, pois a adesão à ONU exige um estado aceito internacionalmente e que solicite a adesão na ONU.”

“Por outro lado, após uma pausa na guerra de Gaza, a operação terrestre em Rafah reacendeu o interesse em fornecer apoio simbólico devido à divisão atual, desde 2006, entre a Faixa de Gaza, sob um governo de fato do Hamas, e a Cisjordânia, sob o Fatah. Essa divisão dificulta qualquer esforço de reconhecimento internacional unificado. Além disso, no caso da Espanha, sua própria turbulência política com a nova Lei de Anistia e escândalos de corrupção fez do reconhecimento uma cortina de fumaça útil,” explicou a Dra. López.

Reconhecer simbolicamente a Palestina parece desconsiderar as dificuldades de implementar uma solução viável de dois Estados. Os defensores do reconhecimento focam na ideia geral de um Estado palestino, em vez de se concentrarem nos líderes palestinos como participantes ativos no processo de paz.

“Como se trata de um reconhecimento simbólico, e considerando que o Hamas está incluído na lista de grupos terroristas da UE, Irlanda, Noruega e Espanha parecem ignorar o fato de que não existe uma verdadeira ‘solução de dois Estados’. Eles não estão considerando os líderes em termos de que tipo de atores políticos eles representam e se são interlocutores viáveis em um futuro processo de paz envolvendo Israel e uma entidade palestina unificada.”

De acordo com a Dra. López, Espanha, Irlanda e Noruega também estão aproveitando o crescente sentimento pró-palestino em universidades e manifestações públicas.

“Atualmente, eles não estão defendendo uma posição clara, além da ideia de um Estado palestino com capacidade legal para negociar um cessar-fogo ou um acordo de paz com validade internacional. Na maior parte, estão capitalizando o movimento pró-palestino crescente nas universidades, com manifestações e acampamentos.”

‘Ignorando os reféns’

Espanha, Noruega e Irlanda também estão ignorando a situação dos reféns sequestrados pelo Hamas em Gaza em 7 de outubro.

“Podemos ver que as declarações políticas em apoio aos reféns são muito mais brandas do que aquelas a favor de um Estado palestino,” diz a Dra. López. “Para muitos movimentos de esquerda que apoiam a causa palestina, é problemático reconhecer abertamente que parte da liderança palestina sequestrou e mantém mais de 130 reféns, que foram movidos de um lugar para outro ao longo da Faixa de Gaza desde outubro, envolvendo abusos sexuais, torturas e assassinatos.”

Apesar de ser impraticável, no sentido de que um Estado palestino ainda precisa atender a requisitos específicos para ser considerado um estado, a declaração feita por Espanha, Irlanda e Noruega pode ter consequências prejudiciais para as relações entre Israel e esses países europeus.

De acordo com a análise da Dra. López, “um realinhamento internacional não é provável devido aos demais compromissos internacionais dos três países. No entanto, relações mais frias podem ocorrer em torno de investimentos econômicos, tecnologia e compartilhamento de informações, e até mesmo aspectos como a cooperação antiterrorista podem ser afetados. Portanto, romper relações diplomáticas provavelmente não está no cenário, mas a reformulação dos mapas de apoio mútuo pode ser uma realidade a médio e longo prazo.”

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título