quinta-feira,11 julho , 2024
Home Brasil 5 estratégias para (tentar) melhorar sua saúde mental no trabalho

5 estratégias para (tentar) melhorar sua saúde mental no trabalho

por darrellchamplin
0 Comente
5-estrategias-para-(tentar)-melhorar-sua-saude-mental-no-trabalho

“Nunca me senti tão visto.”

Este feedback, que venho recebendo repetidamente desde a publicação do meu livro “*”The Anxious Achiever”*” no ano passado, me enche de gratidão. Também me dá raiva.

Todos os dias, minha caixa de entrada se enche de histórias que fariam você querer chorar. Recentemente, conduzi uma pesquisa informal no LinkedIn em que 87% dos 1.228 entrevistados relataram que um colega de trabalho, cliente, chefe ou situação de trabalho estressante foi o catalisador de sintomas físicos negativos, como enxaquecas, náuseas, queda de cabelo, insônia, alterações de peso, surtos autoimunes e ataques de pânico.

E não se trata apenas de minha comunidade. O estudo ‘Workplace State of Mind’ (Estado mental no local de trabalho), realizado pelo Headspace em 2024, revelou que o estresse no trabalho tem impacto negativo na saúde física de 77% dos colaboradores e que afeta os relacionamentos fora do trabalho de 71% dos entrevistados. Uma análise feita pela Gallup em março de 2022 apontou que menos de um em cada quatro colaboradores considerava que sua organização se preocupava com seu bem-estar, quase metade do número que relatou o mesmo sentimento no início da pandemia de covid-19.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

O que aconteceu? Apesar das mudanças ocorridas nos benefícios e nas conversas sobre saúde mental, as culturas no local de trabalho não acompanharam essas atualizações. Natasha Bowman, especialista em saúde mental no local de trabalho, também observou que apesar do alto nível de empatia e compaixão que surgiu durante a pandemia, ela está percebendo um retorno aos hábitos pré-pandêmicos, incluindo reversões nas iniciativas de DEI e bem-estar. As pessoas não estão reagindo bem. Hoje, trabalhadores exigem mais do que apenas um contracheque, querem respeito por suas necessidades de saúde mental. Não se trata apenas de cumprir formalidades, mas de criar uma cultura em que os colaboradores se sintam empoderados a priorizar autocuidado sem medo de repercussões”, analisou Bowman.

Eu não poderia concordar mais. Para abordar este momento crítico para empresas e colaboradores, gostaria de compartilhar minha perspectiva sobre a saúde mental no local de trabalho — baseada no que aprendi com colegas sábios e durante centenas de palestras e conversas sobre o tema desde o lançamento do meu livro — como um caminho a seguir.

Hoje, melhorar a saúde mental no local de trabalho envolve abordar como, porquê e onde trabalhamos. O conselho de Pat sobre como você deve desligar seu telefone à noite ou agendar seus e-mails parece algo tão 2020.

Portanto, seja específico e concentre-se no produto ou serviço de trabalho de que precisa e em como você pode apoiar melhor os colaboradores envolvidos. Por exemplo, imagine um grande sistema hospitalar: considerações a respeito da saúde mental no local de trabalho de médicos do pronto-socorro serão muito diferentes daquelas voltadas ao departamento de cobrança, isso por causa da natureza totalmente diferente dos produtos de seu trabalho.

Continua depois da publicidade

As recomendações de Cali Yost, especialista em locais de trabalho flexíveis, devem servir de base para qualquer iniciativa de bem-estar: quando você começa com aquilo que precisa ser feito, diz Yost, as equipes podem “reimaginar como, quando e onde o trabalho será feito para garantir um desempenho eficaz como organização e também ajudar as pessoas a darem o melhor de si”. Uma nova pesquisa publicada pela JAMA conclui que maior flexibilidade no trabalho está correlacionada com uma redução na probabilidade de sofrimento psicológico grave e de ansiedade semanal.

Assim como os mandatos de retorno ao trabalho, políticas gerais para a saúde mental dos colaboradores frequentemente falham e não são realistas, dada a variedade de formas como trabalhamos hoje. Segundo Jim Mortensen, presidente da R3 Continuum, empresa líder na área da saúde comportamental no local de trabalho: “Assim como um clínico geral não consegue lidar com todos os problemas médicos físicos de uma pessoa, uma única solução de saúde comportamental não resolverá todos os problemas sofridos por uma base de colaboradores. É preciso reconhecer a diversidade de questões dentro de uma empresa e também compreender os fatores estressores específicos dessa organização, porque eles são diferentes. Se você não adaptar as soluções aos problemas que as pessoas estão enfrentando, não obterá os resultados de que precisa.”

Não dependa de pessoas de fora para impulsionar mudanças de comportamento

As empresas frequentemente dependem de especialistas externos ou consultores de bem-estar designados, sem envolver também apoiadores internos que sejam gestores e líderes nas unidades de negócios. Às vezes, a empresa limita o trabalho ao departamento de recursos humanos ou então a uma equipe interna de bem-estar. De todo modo, se você está solicitando às equipes que alterem a forma como trabalham para obter resultados melhores em saúde mental, é essencial ter o apoio das pessoas que tomam as decisões no dia a dia nas unidades de negócios.

Newton Cheng é um exemplo de um desses tomadores de decisão. Ele é um ex-engenheiro que atua como diretor de saúde e desempenho do Google e é um dos defensores mais poderosos que já vi da melhoria do bem-estar mental em organizações grandes e complicadas. Cheng compartilha abertamente seus próprios desafios de saúde mental, o que o ajuda a se conectar com a base mais ampla de colaboradores, enquanto trabalha para transformar um sistema complexo, lidar com a burocracia e alcançar as metas de negócios.

Em uma conversa que tive com ele, Cheng refletiu sobre por que seus workshops de saúde mental no Google são bem-sucedidos: “Estou sob o mesmo estigma compartilhado que eles. Estou criando modelos sobre como é liderar de forma vulnerável na mesma organização em que eles estão. É muito difícil fazer qualquer coisa em relação à saúde mental até que você veja alguém que está fazendo isso bem na sua frente.”

Não me entenda mal, médicos e profissionais externos ajudam os líderes a desenvolverem um conhecimento essencial em saúde mental, além de como aprender a comunicar e exemplificar práticas saudáveis. Mas eles não entendem isso como gestores. E, no entanto, Newton é o primeiro a admitir que se tornar esse líder exigiu tempo e muitas tentativas e erros, além de um conforto com o risco. Organizações que queiram criar culturas mentalmente saudáveis precisam recrutar pessoas bem-sucedidas e respeitadas que estejam dispostas a dar um passo à frente e assumir a liderança. Outros seguirão!

Há dois elefantes na sala que precisam ser confrontados. Primeiro, cada geração no trabalho luta com sua saúde mental; não são apenas os jovens que querem falar sobre os seus sentimentos. Segundo, homens querem compartilhar suas emoções no trabalho, mas podem sentir mais estigma do que as mulheres. De que forma os locais de trabalho podem lidar com esses preconceitos?

Continua depois da publicidade

Leia mais: Chefe de RP do Baidu gera crise após exaltar cultura de trabalho “tóxica”

Para começar, promova conscientização sobre saúde mental em toda a organização. Preconceitos e estigma florescem quando não há uma linguagem compartilhada ou uma linha de base de conhecimento. Os mais jovens podem falar mais abertamente sobre saúde mental simplesmente porque cresceram falando mais sobre ela do que as gerações anteriores, embora o uso excessivo e indevido de termos (por exemplo, “Meu Deus, tive um ataque de pânico total”) possa tornar os comentários mais fáceis de diminuir e ignorar. Invista em treinamento para que todos aprendam os fundamentos da saúde mental.

Também é essencial garantir que os homens estejam visíveis e que conversem. Se seus programas de saúde mental são muito voltados às mulheres, convide a participação dos homens! Eu brinco que ter homens falando sobre saúde mental é crucial para decodificar o preconceito de gênero a respeito das emoções no trabalho.

Por fim, dê às diferentes gerações seus próprios espaços para compartilhar: a saúde mental é uma conversa inclusiva, mas pode ser útil oferecer às pessoas que compartilham experiências vividas – geracionalmente ou não – o espaço para que possam se conectar.

Seja paciente e prepare-se para investir no que importa

Não existe um aplicativo mágico que torne as pessoas mais felizes no trabalho. Se transformar em uma organização mais saudável mentalmente envolve se comprometer com mudar fundamentos, e isso começa com a liderança. A psicóloga Emily Anhalt diz que as organizações devem abraçar esta realidade: “Isso não será algo rápido e nem fácil. Esta é uma jornada eterna, e você precisa decidir que ela vale a pena para você.”
Há dois aspectos principais desta jornada que considero os mais importantes.

Primeiro, reconheça que a tecnologia não resolverá nossos problemas de saúde mental, de fato, ela é parte do problema. Todas as conversas que tenho incluem sentimentos de total desesperança por termos perdido a batalha para nossos telefones e nossa capacidade de manter a atenção. O ciclo hiperresponsivo de estar sempre online agrava a ansiedade no trabalho. Precisamos de estratégias para abordar a saúde mental que reconheçam o papel descomunal que a tecnologia desempenha em nossas vidas profissionais e os danos que isso causa à nossa saúde mental.

Segundo, considere que o trabalho tem a ver com pessoas, e pessoas são confusas e difíceis. “Quase todas as dificuldades de saúde mental que uma pessoa enfrenta, em sua essência é uma luta de relacionamentos”, explica Anhalt. “As empresas precisam estar dispostas a entrar nesse espaço e a ajudar as pessoas a realmente se sentirem conhecidas, ouvidas, vistas e conectadas.” Este é um fato maravilhoso: quando empregadores investem tempo, curiosidade e estratégias ponderadas à medida que desenvolvem programas de saúde mental, as pessoas se sentem conhecidas, ouvidas, vistas e conectadas. É algo vitorioso!

Por fim, Anhalt recomenda que os líderes que se preocupam com o bem-estar mental invistam no longo prazo e construam a confiança dos colaboradores ao longo do tempo. Esta abordagem é difícil de justificar para empresas que se mantêm em uma visão de curto prazo e sujeitas à pressão dos acionistas, mas há um interesse crescente no campo da sustentabilidade humana e em modelos como a Estrutura para a Saúde Mental e o Bem-estar no Local de Trabalho promovida pelo Diretor-Geral da Saúde dos EUA. Isso me dá esperança e parece a mudança de mentalidade de que precisamos. Ainda não se sabe se alguma dessas ideias ganhará força dentro das empresas.

Continua depois da publicidade

Sirva de exemplo

A saúde mental é fundamental para tudo o que fazemos no trabalho. Protegê-la exigirá esforços de todos nós.

Não importa em que nível você esteja na empresa, se você é apaixonado por saúde mental, seja persistente. Anhalt observa que a razão pela qual existem mais benefícios para a saúde mental agora é que muitas pessoas disseram: “Não vou trabalhar aqui se isso não fizer parte do processo”.

Aqueles de nós que trabalham na área de saúde mental no local de trabalho ansiamos pelo dia em que não teremos que nos esforçar tanto para convencer as organizações a investir neste trabalho. “O que me faz perder sono à noite é que atualmente estamos em um estado de ‘empurrar’ o nosso trabalho de transformação corporativa informado pelo trauma com empresas e líderes”, afirma Susan Schmitt Winchester, ex-CHRO da Applied Materials e autora de Healing at Work. “Meu sonho é que, no futuro, os líderes apoiem nosso trabalho porque entendem muito bem a conexão entre o bem-estar do líder e dos colaboradores e tudo o que lhes interessa – cultura, desempenho, produtividade, experiência dos colaboradores etc.”

Os líderes também precisam se esforçar para entrar em contato com a forma como as suas próprias emoções influenciam sua vida profissional. E eles têm um grande poder para desestigmatizar as conversas sobre saúde mental ao compartilhar o que estão fazendo para preservar sua própria saúde mental e como essas ações os estão impactando.

A magia a serviço da saúde mental no local de trabalho pode acontecer em todos os níveis de uma organização, e algumas das táticas mais simples e centradas no ser humano podem ser incrivelmente poderosas. Tenha uma conversa franca com um colega de trabalho. Encontre força nos números solicitando mudanças nas políticas com colegas. Seja o líder de equipe que busca promover um horário de encerramento de atividades mais razoável depois de notar que sua equipe envia e-mails à meia-noite. Seja o CEO ou vice-presidente que compartilha uma história pessoal para que outras pessoas que enfrentam dificuldades possam se sentir vistas.

Uma coisa de que sempre me lembro é que ser ansioso e empreendedor ao mesmo tempo não são mutuamente exclusivos. Todos nós temos problemas para resolver porque somos humanos. Mas podemos prosperar no trabalho quando nossas necessidades recebem a atenção e o apoio de que precisam e que merecem.

———

Morra Aarons-Mele é consultora de saúde mental no local de trabalho e autora de “The Anxious Achiever: Turn Your Biggest Fears Into Your Leadership Superpower” (Harvard Business Review Press, 2023). Ela já escreveu para o The New York Times, The Wall Street Journal, O the Oprah Magazine e TED, entre outros, e é apresentadora do podcast Anxious Achiever do LinkedIn Presents.

Continua depois da publicidade

HBR: ©.2024 Harvard Business School Publishing Corp./Distribuído por The New York Times Licensing Group

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CATEGORIA NOTICIAS

NOTICIAS RECENTES

AS MAIS VISTAS

Noticias Todo Tempo © Todos direitos reservados

Título do Título